quarta-feira, janeiro 23, 2013

Dois livros, duas paixões

Na mesma semana consegui ter duas leituras incríveis! Primeiro, fiquei completamente encantada com "Branca como Leite, Vermelha como Sangue" e depois... Ah, depois eu me encantei mais uma vez com o autor de @mor! Sim, li a continuação! Sabendo da minha paixão pelo livro, a Ceile do Este Já Li veio me informar que ela estava lendo a versão de Portugal da "Sétima Onda" (a continuação da história) **MUITO OBRIGADA!!! O quê?! Versão de Portugal? Eu iria aceitar ler até a versão chinesa! Não via a hora de reencontrar com Emmi e Leo e foi o que fiz.

Mas voltando para a primeira leitura: É um livro bem diferente. Detesto histórias tristes, mas amei tudo nesse livro de um autor italiano que tem a sensibilidade de um grande poeta. Triste, pois na trama lá vem uma doença para deixar corações partidos. Só que tudo é bem, bem diferente das receitas usadas por Nicholas Sparks. Não que eu não goste dele, mas confesso que fiquei um pouco cansada com todas as mortes nos finais de seus livros. Não gosto de terminar uma leitura me sentindo pesada, triste, desolada.

Com "Branca como leite, vermelha como sangue", apesar da doença estar presente na história e de ser muito bem desenvolvida no decorrer da leitura, não me senti arrasada em momento algum. O que senti foi uma doçura incrível, fui enfeitiçada pelas palavras do autor, pelo seu jeito poético, açucarado - sem ser meloso, muito longe disso!!! Com Alessandro D'avenia as palavras ganharam mais do que significados, ganharam sentimentos, peso.

Terminei o livro não completamente encantada com a história, mas maravilhada com a poesia. Uma mistura de Vinicius, Chico e Tom. Filosofia para dar e vender. Sem ser chato. Sem ser absolutamente chato. Sempre que pensar no livro, pensarei em doce. Assim como o personagem principal pensava em vermelho e branco. Penso em todas aquelas páginas como o açúcar que precisamos para adoçar as nossas vidas. E são letras assim que eu adoro ler.

Falando em adorar, um grau acima disso estão Emmi e Leo. O casal que me conquistou em @mor e também na sua continuação. Sem palavras difíceis, sem uma história profunda, sem tanta filosofia. Me apaixonei por serem simplesmente emoção. Um sentimento que você consegue sentir como se estivesse passando por tudo aquilo, como se vivesse na pele de um deles. Mais uma vez esperei cada e-mail e senti cada pausa como se fosse comigo. 

Incrível o dom do autor de fazer com que os sentimentos dos personagens sejam tão reais. Cheguei a me perguntar: Será que Daniel Glattauer é o Léo?! Será que ele já recebeu um e-mail por engano de alguma desconhecida que acabou se tornando a pessoa que mais sabia sobre ele superficialmente e de maneira bem profunda?! Esse é um daqueles livros que desejo que os personagens estejam presentes fora das páginas da literatura. A história é tão deliciosa que é triste demais saber que aquelas pessoas e aqueles e-mails não chegaram a estar em outro lugar além de preencher a cabeça do autor. Triste. Gostaria muito de encontrar Leo e Emmi por aí. 

Ai, ai!

Assim, com um suspiro, termino de falar sobre esses dois livros que preencheram de frios na barriga e de poesia a minha semana.  Espero que todos tenham a oportunidade de se deliciar com obras como essas. Livros que deixam os dias mais doces, mais gostosos, mais encantados. Adoro tudo que me faz sonhar, tudo que parece ter como principal objetivo - encantar.

4 comentários:

"Coisas de MilaMilene" disse...

Sua última sensação, a respeito do livro @mor, é a mesma que a minha ao ler Louca por você, estou quase no final, e eu também consigo sentir quase que profundamente o que Renata sente, a euforia da Fê, da Nati, da Pri, da Quel e as lamentações do Vitor. Também gostaria muito que esse livro foi obra de relatos reais já vividos por alguém. Não sei ainda o final da história. Ficaria mais satisfeita se ela ficasse com o Carlos, mas me conformo se for com o Vitor. Acho que ele estava precisando que agora ela não se decidisse entre ele e o Carlos, pra "sentir na pele essa emoção".
O que quero que saibas, é que qualquer tempinho que tenho livre estou embarcada nessa viagem de história, linda. E que amigas, adoro todas elas, já são minhas também.
Bjs.

"Coisas de MilaMilene" disse...

Sua última sensação, a respeito do livro @mor, é a mesma que a minha ao ler Louca por você, estou quase no final, e eu também consigo sentir quase que profundamente o que Renata sente, a euforia da Fê, da Nati, da Pri, da Quel e as lamentações do Vitor. Também gostaria muito que esse livro foi obra de relatos reais já vividos por alguém. Não sei ainda o final da história. Ficaria mais satisfeita se ela ficasse com o Carlos, mas me conformo se for com o Vitor. Acho que ele estava precisando que agora ela não se decidisse entre ele e o Carlos, pra "sentir na pele essa emoção".
O que quero que saibas, é que qualquer tempinho que tenho livre estou embarcada nessa viagem de história, linda. E que amigas, adoro todas elas, já são minhas também.
Bjs.

Nanda Belém disse...

MUITO obrigada pelo comentário! Fiquei muito feliz com a sua opinião sobre o meu livro! Obrigada pelo carinho!! =) Bom saber que os personagens do Louca Por Você viraram seus amigos! ;) Quando terminar a leitura, não deixa de me contar o que achou da decisão da Renata! heheheheh... Beijão!!

Nanie Dias disse...

Ai, ai, eu adorei Branca como o leite, vermelha como sangue também! É um livro tão poético e tão lindo...

Eu gostei muito de @mor, achei o máximo a troca de emails e todo o improvável romance que surgiu entre os protagonistas... mas algumas coisas me incomodaram. Entretanto, a leitura me agradou e estou bastante ansiosa para ler o segundo livro - que já tenho aqui em casa *-*

Beijos,
Nanie